Redação Afya - out 18, 2021

Outubro Rosa: conheça a especialidade que diagnostica o câncer de mama

Entra ano, sai ano, e as campanhas de conscientização do Outubro Rosa tornam-se cada vez mais necessárias. O estilo de vida sedentário, acompanhado de rotinas alimentares baseadas em produtos ultraprocessados e de estresse constante, contribui para o desenvolvimento de cânceres. Em segundo lugar no ranking mundial está o carcinoma intraductal, conhecido também como câncer de mama, com cerca de dois milhões de casos registrados em 2018.

Apesar de ser frequente, esta doença ainda traz muitas dúvidas. E é para falar sobre a especialidade médica que deve ser procurada quando são detectadas anomalias na mama que nós escrevemos o artigo de hoje.

Importância da Mastologia

Esta é a área médica que estuda especificamente as doenças e as condições que podem acometer às mamas ao longo da vida de uma pessoa. Nesse sentido, sua importância reside no diagnóstico precoce de nódulos benignos ou malignos; o acompanhamento da evolução destes; e o tratamento de inflamações, como a mastite, causada pela transmissão de bactérias entre mãe e filho durante a amamentação.

Tudo isso depende, claro, da realização de exames, que também são responsabilidade do mastologista. Antes de definir a linha de tratamento mais adequada a cada um de seus pacientes, o médico solicita um ou mais exames dentre os que citamos abaixo:

  • Punções e biópsias de nódulos e outros tipos de tecido das mamas;
  • Mamografia;
  • Ultrassonografia;
  • Tomografias da área.

Somente por meio do exame histológico é possível confirmar a presença do câncer de mama. A partir daí, o mastologista pode optar pela intervenção cirúrgica ou pelo encaminhamento do paciente a um oncologista, para redução do tumor via quimioterapia.

Quando procurar ajuda

É importante que mulheres e homens, trans e cisgêneros, façam o autoexame regularmente. Isso porque o câncer de mama pode ser um inimigo silencioso e um médico deve ser procurado em qualquer caso de anormalidade. Certos casos apresentam inchaço, vermelhidão, calor no local, nódulos e sensibilidade na pele, mas nem todos. Além disso, quando os tumores causam dor à pessoa, na maioria das vezes, é porque já estão em estágio avançado. Portanto, consultas periódicas são essenciais para a detecção precoce.

Em geral, o acompanhamento anual é sugerido a partir dos 40 anos, quando também já se pode fazer a primeira mamografia. Entre 50 e 69 anos, as mamografias devem ser feitas pelo menos a cada dois anos.

Todavia, algumas pessoas precisam ter atenção especial a esta questão, por conta dos seguintes fatores de risco:

  • Ter menstruado muito jovem ou com mais idade do que o normal.
  • Ter casos de câncer de mama na família.
  • Ter mais de 35 anos e ainda não ter engravidado.
  • Ter mais de 40 anos.

Nestes casos, o exame clínico e a mamografia devem ser feitos anualmente a partir dos 35 anos.

Dia a dia do médico especializado no tratamento de patologias da mama

Como você já pode imaginar, a oncologia é o foco principal de todo mastologista. Nos últimos 36 anos, segundo dados do INCA, o número de casos de câncer de mama aumentou mais de 30%.

Então, boa parte da rotina deste médico será em ambulatórios e hospitais, realizando consultas preventivas, diagnósticos, cirurgias para a retirada de tumores e/ou acompanhando o tratamento de pacientes. Depois do procedimento cirúrgico, também cabe ao mastologista decidir se a pessoa precisa passar por sessões complementares de quimioterapia.

Embora a atuação mencionada acima represente a maioria, existem muitas patologias benignas que devem ser avaliadas e tratadas por um mastologista. No ambulatório, o dia a dia do mastologista gira em torno da anamnese. Ou seja, da análise profunda e detalhada que envolve o perfil genético do paciente, os sintomas, outros problemas de saúde e informações sobre o seu modo de vida. Às vezes, o paciente pode precisar de medicamentos e até de cirurgia.

Após a residência, contudo, é comum também ver mastologistas recém-formados em plantões, atuando em suas áreas de origem, como obstetrícia e cirurgia geral. Isso porque a mastologia pura e simplesmente pode não trazer o retorno financeiro esperado logo de início.

Em contrapartida, o médico especializado no tratamento de doenças da mama costuma ter horários mais flexíveis e finais de semana livres de atendimentos. Por fim, mastologistas também podem trabalhar com radiologia mamária e oncoplástica, tanto em hospitais como em clínicas particulares.

Perfil de um bom mastologista

Para atuar de forma precisa, todo mastologista deve ter conhecimentos avançados de radiologia, patologia, oncologia e radioterapia. Isto é, precisa estar disposto a estudar bastante e ser capaz de encaixar conhecimentos aparentemente divergentes em prol de um diagnóstico.

Além disso, uma vez que a condução de tratamentos de combate ao câncer fará parte da rotina diária deste especialista, desenvolver habilidades interpessoais como a empatia e a paciência será fundamental para uma relação médico-paciente sólida.

365 dias de Outubro Rosa

Outubro é um mês importante para a saúde das pessoas. Porém, a conscientização sobre as medidas de prevenção e a adoção de hábitos saudáveis precisa acontecer durante o ano inteiro.

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação desordenada de células da mama, cujos tumores podem invadir outros órgãos e levar à morte. Nesse sentido, praticar atividades físicas, manter o peso corporal adequado, evitar o consumo de bebidas alcoólicas, o tabagismo passivo e não fumar são algumas das atitudes positivas a serem adotadas por precaução.

Se você se identificou com esta causa e quer fazer da mastologia a sua vocação, inscreva-se no Vestibular de Medicina da Afya.

 

 

 

Escrito por Redação Afya

    240x400px